Sábado
20 de Janeiro de 2018 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Previsão do tempo

Hoje - Cuiabá, MT

Máx
36ºC
Min
26ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Campo Grande, MS

Máx
33ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,21 3,21
EURO 3,93 3,93
LIBRA ES ... 4,45 4,46

Em entrevista ao Conjur, Mansour diz que Judiciário precisa melhorar sua infraestrutura

Confira abaixo a entrevista do Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), Mansour Elias Karmouche ao Site Conjur: Os problemas que afetam o trabalho dos advogados de Mato Grosso do Sul não estão diretamente ligados à advocacia. É o caso da falta de infraestrutura do Judiciário estadual, afirma o presidente da seccional local da Ordem dos Advogados do Brasil, Mansur Karmouche. “Nosso Judiciário estadual é mais célere na segunda instância do que na primeira. Na Justiça do Trabalho, encontramos algumas dificuldades, por exemplo, a prestação jurisdicional mais morosa na segunda instância que na primeira", diz. Questionado sobre a investigação do Cade em relação à tabela de honorários da OAB, o advogado afirma que isso não é competência do órgão. "A tabela de honorários não é cartelização, mesmo porque não tem como fazer cartelização num universo de um milhão de pessoas." Leia a entrevista: ConJur — Quais são os principais gargalos da advocacia em seu estado? Mansur Karmouche — O problema que enfrentamos é o mesmo de outros estados: a infraestrutura do Poder Judiciário. Nosso Judiciário estadual é mais célere na segunda instância do que na primeira. Na Justiça do Trabalho, encontramos algumas dificuldades, por exemplo, a prestação jurisdicional mais morosa na segunda instância do que na primeira. Mas estamos tentando diminuir isso cobrando deles que invistam na infraestrutura, que redirecionem parte do dinheiro destinado a pessoal. ConJur — Quais os efeitos da reforma trabalhista para os escritórios de advocacia? Mansur Karmouche — Vai haver uma diminuição muito grande de demandas trabalhistas, que vai impactar os grandes escritórios e os pequenos advogados. ConJur — O que o senhor acha da investigação do Cade sobre a tabela de honorários da Ordem? Mansur Karmouche — Não acho que o Cade deva se intrometer nessa questão, mesmo porque ele teria também que envolver outras entidades, outras classes que também adotam um preço mínimo. A tabela de honorários não é cartelização, mesmo porque não tem como fazer cartelização num universo de um milhão de pessoas. A tabela é um preço mínimo definido para cobrança para impedir o aviltamento, pois num universo desse há distorções muito grandes. Por que que um advogado cobra 2 mil [reais], por que que o outro cobra 10 mil [reais]? ConJur — O Ministério Público do Trabalho tem competência para ir a bancas fiscalizar se a figura do associado não está sendo usada para maquiar a relação de emprego? Mansur Karmouche — Não, esse é um problema que interessa somente à Ordem dos Advogados do Brasil. Mesmo porque o advogado é um profissional liberal, tem independência, autonomia, jamais necessitaria intervenção do Ministério Público do Trabalho, que tem já uma sobrecarga muito grande de trabalho: trabalho escravo, em carvoaria, em usinas. Ele deve fazer essa investigação, não ficar atento a essa questão que é a de menos importância.
12/01/2018 (00:00)
Visitas no site:  676416
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.